This is a platform for User Generated Content. G/O Media assumes no liability for content posted by Kinja users to this platform.

Comlurb Vai Abrir Concurso Para Garis A Cada 2 Anos O Dia

Saiba Como Adquirir O Seu Certificado

Para quem mora em cidades pequenas do interior do Brasil, fazer escola afastado de residência sempre foi uma alternativa — ou até um sonho. Entretanto desde a fabricação do SiSU, em 2009, o número de estudantes que deixaram tua cidade natal pra cursar o ensino superior em novas regiões vem crescendo ainda mais. Dados do Ministério da Educação provam que o deslocamento de estudantes no Brasil aumentou nos últimos anos. Em 2013, mais de 15 1000 estudantes deixaram teu Estado de origem para fazer universidade em outros lugares.

Advertisement

Minas Gerais foi a região que mais recebeu alunos, pouco mais de 2400, no tempo em que São Paulo “exportou” quase 5000 calouros. Depois de terem se dado bem nos vestibulares e no Enem, milhares de estudantes brasileiros que entrarão na escola por este ano e estudarão distanciado de residência estão passando por outros desafios.

O maior deles é achar onde morar. E a primeira opção que vem pela cabeça de quem está saindo das asas dos pais é morar em uma república, que além de ser a escolha mais barata, assim como parece ser a mais divertida. Porém está enganado quem acredita que a existência em uma república é um permanente “American Pie”.

Advertisement

Quem espera conduzir-se para lá e fazer festas diariamente vai ter um enorme choque: a experiência é mais um aprendizado como sobreviver longínquo dos pais do que uma farra interminável. Caroline Fernandes, 20, é prova disso. Ela saiu de Jacareí, no interior de São Paulo, pra estudar Comunicação em Mariana, Minas Gerais. “Eu sempre fui muito dependente dos meus pais. Eles me levaram e buscaram pela universidade a vida toda”, conta a segundanista da Escola Federal de Ouro Preto. “Não foi acessível acostumar com as novas responsabilidades, a gente passa a conceder muito mais valor a coisas bem simples e vê que a realidade é complicada”, admite.

Desde o Após Nove Anos, Inmet Abre Concurso Pra 242 Vagas O Dia , Caroline é uma das cinco moradoras da república Bacana Pergunta. “Eu procurava uma república sem aquelas tradições de guerra, uma coisa bem de bacana mesmo, sem as bagunças de festas”, conta a paulista. Ao contrário do que muitos conseguem imaginar — inclusive os pais —, nem sequer o mundo inteiro que está em pesquisa de uma república está procurando por festas e curtição.

Advertisement
  • OS2Warp msg 19h57min de vince e seis de Julho de 2008 (UTC)
  • Secretaria de Estado da Educação da Bahia
  • 6- A par / ao par
  • dois Dos anos 1910 ao final dos anos 1930
  • 194 Sauber x BMW Sauber F1 Team
  • 7 Maravilhas da Cidade de São Paulo
  • 2 Versões do sudeste asiático
  • 76 Acessível em: . Acesso em: Software Calcula Oportunidade De Aprovação Em Concursos . 2014
Advertisement

É o caso de Vitória Bena, 19, que vai começar a cursar medicina numa faculdade típico de Atraente Horizonte e está em busca de uma moradia. “Eu estou saindo de moradia e gastando dinheiro dos meus pais pra aprender. Não pretendo desperdiçar nenhuma oportunidade”, confessa a mato-grossense. Pra ela, as festas são legais, mas não conseguem atrapalhar os estudos. “Acho super saudável ocorrerem festas, mas elas têm que suceder com a concordância de todos”, diz a futura universitária. Apesar de não ambicionar curtição, a socialização entre os estudantes é um dos motivos que levam os calouros às repúblicas.

Mariana Chevrand, 18, é um modelo disso. A socialização é um dos assuntos que tem que ser levada em conta na hora de optar viver ou não numa república. Esse foi o principal motivo pelo qual Caroline saiu da primeira república em que morou em Mariana. “Com uma semana lá, eu percebi que não me adaptava e que as criancinhas não combinavam comigo. Era eu e mais três garotas, nenhuma fazia o mesmo curso que eu e só uma se preocupava em falar comigo”, lembra a estudante. USP, FGV E ESPM Oferecem Mais De 60 Cursos Online Gratuitos Sem descrever que eu era tímida, aí dificultava muito também”.

Advertisement

Pra Vitória, conviver com pessoas diferentes é o maior estímulo de dividir uma casa com outros estudantes. “Uma coisa é viver com a sua família, onde todo mundo te conhece e tem total autonomia pra te mandar continuar quieta ou lavar a louça. De imediato com outras pessoas, fica a todo o momento aquela observação de falar algo com pavor de prejudicar a convivência”, avalia Vitória, que dividia um apartamento com uma amiga em Curitiba.

Os que neste momento passaram pela fase da decisão — e convencimento dos pais — têm uma outra aflição: Unifor, Unifap E Ufam Inscrevem Para Cursos De Mestrado . “A minha república melhor teria regras de convivência, como horário máximo com o intuito de som e festas e um quadro de tarefas com o intuito de limpeza e organização, e também um recinto claro e fresco com finalidade de convivência comum”, enumera Vitória.

Share This Story

Get our newsletter